Blog de Formação

Quando é Natal!?



By  Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil     15:33     



Está chegando o Natal. Mas é natal de quem mesmo? Ah sim de Jesus Cristo, o salvador. Toda a Igreja celebra no dia 25 de dezembro a natividade de Nosso Senhor. É certamente um momento de grande importância para todos os cristãos, porque pela vinda de Cristo, e posteriormente seu sacrifício, somos salvos e poderemos um dia gozar da herança dos filhos de Deus. Rezemos por isso. Mas estamos dizendo aqui que o natal do Salvador é recordado no dia 25 de dezembro. Mas quem sabe ao certo dizer o dia em que Jesus nasceu? Será mesmo que foi nesse dia? Saber com precisão é tarefa quase impossível uma vez que já se foram mais de dois mil anos de história, pós vindo o Salvador. Muita coisa se perde, muita coisa não se preservou. Mas e agora, por que celebrar o nascimento de Jesus no dia 25? Aliás, você sabia que no passado existiam duas datas para rememorar o nascimento de Cristo? Nem sempre foi dia 25 para todos os povos. Mas a Santa e Sábia Igreja não excluiu simplesmente a outra data.
Agora quero te levar a uma viagem. Primeiro imagine que a Igreja do Senhor tenha uns 100 anos e, logo, Cristo foi morto há pouco tempo. É tudo novo e fresco. Alguns apóstolos escolhidos por Cristo aqui na terra ainda estão vivos. A comunidade dos primeiros cristãos está se organizando, mas tem um problema. Eles querem fazer memória do nascimento de Jesus, mas não sabem bem quando ele nasceu. Pior, eles estão indo em missão em terras distantes e o calendário deles é bem diferente do nosso. Precisam transmitir a mensagem da boa nova e mostrar o quanto nosso Deus é bom. Você saberia me dizer qual data esses cristãos escolheriam para o natal?
Por que estou fazendo todos esses questionamentos? Porque é preciso que cada cristão faça esse questionamento dentro de si. Hoje vivemos numa cultura bem diferente da iniciada pela cristandade. Celebrar dia 25 de dezembro como natividade do Senhor não faz tanto sentido, a menos que digamos que é essa data porque está na folhinha do calendário.
Quando os judeus recém convertidos foram espalhar a boa nova enfrentaram muitas dificuldades, principalmente em dizer o que é esse Cristo e sua mensagem salvífica.
Então esses cristãos, quando cruzaram as muralhas da cultura judaica para entrar na romana eles precisavam mostrar com significativa expressão quem era esse Cristo, e fizeram isso utilizando-se da cultura própria dos romanos, empregando símbolos para conectar o cotidiano daquele povo com a verdade reveladora e libertadora do Senhor. Eis que na Europa existem estações do ano bem definidas, invernos rigorosos, outonos friozinhos e de folhas secas, primavera quente e gostosa cheia de vida, flores, verde das brotas das plantas e verão quentíssimo. Os romanos, politeístas, cultuavam um deus no dia 25 de dezembro, porque nesse dia era o dia em que o Sol brilhava por mais tempo, e pensem vocês que numa região onde o frio, se não houver cuidado, pode matar pessoas, o sol e seu calor eram sempre bem vindos. Por isso, eles tanto amavam o deus Sol, por trazer calor, vida, prosperidade, tempo fértil. Era o Sol quem todos esperavam quando o inverno chegava. Toda confiança de tempos melhores estavam neste astro poderoso. Não foi difícil os cristãos começarem a associar o deus sol com Cristo, aquele que vem trazer esperança do amanhã melhor, a salvação para aqueles que já estão perdidos, aquele que vem para aquecer corações, a vida das pessoas... Aquele que traz a verdade como luz radiante. Imagine você que essa é a história do natal e o porquê de celebrarmos dia 25 de dezembro.
Mas o evangelho não foi anunciado somente aos latinos. No Egito algo parecido aconteceu. O deus Sol deles era celebrado no dia 06 de janeiro. Por um tempo existiu as duas datas, mas passado o tempo a Igreja oficializou a memória do natal do Senhor no dia 25 de dezembro e a epifania do Senhor no dia 06 de janeiro.
Claro que essa nossa história não termina por aqui porque ainda resta responder a uma pergunta: se fosse pra escolher uma data hoje, quando seria o natal?
Precisamos definir isso com o mesmo propósito do dia 25. Talvez aqui no Brasil fosse 7 de setembro, o dia da independência, dia libertador, quando deixamos de ser colônia. Cristo vem trazer a liberdade de filhos, vem proclamar a liberdade do pecado, pois agora podemos nos fazer filhos pela remissão e o pecado já não mais tem força. Poderia ser também dia 13 de maio, abolição da escravatura, liberdade negra. Cristo vem destruir as amarras, as correntes do pecado que aprisiona o homem. Ele veio destruir a mão opressora. Poderia ser também dia 22 de abril, descobrimento de nosso país. Assim, seguir Cristo é poder conhecer um novo mundo, a terra do paraíso. É saber que há um lugar novo para onde iremos, um amanhã de esperança onde a realidade de hoje, os problemas, enfermidades, miséria não existem. Talvez fosse dia 10 de dezembro, dia internacional dos Direitos Humanos, pois o que Cristo mais quis era que fossemos humanos novamente e deixássemos de lado nossas ações desumanas. Assim, pelo pecado a totalidade e essência primordial do homem foram perdidas. Cristo vem para que na ressurreição voltemos ao estado original, aquele antes do pecado original. Então seria uma boa celebrar o natal nessa data.
Meus irmãos, quando é o natal? Essa pergunta ficará pra cada um responder, pois deve ser individual. Quero deixar aqui a mensagem de que é preciso celebrar o natal com o mesmo sentido dos primeiros cristãos, ou mesmo que o resinifiquemos para melhor vivenciar esse momento. Cristo veio ao mundo trazendo a mensagem salvadora, a mensagem de libertação. Cristo veio para dar seu amor, transmitir o amor do Pai. Veio para provocar mudanças, nos lembrar que somos mais que nossas mesquinharias, que é preciso viver em fraternidade e em comunhão. É preciso fazer do natal tempo de reflexão, tempo de ordem na vida, no espírito.

Desejo a você meu irmão, minha irmã o melhor natal que possa ter, cheio de significado e amor. Cheio de atitudes que demonstrem o Cristo nascido em cada um de nós quando fomos batizados e congregados para sua Igreja. Desejo que esse momento de celebração da vinda do Senhor seja oportunidade de mudanças, reflexão e de reviver nossa cristandade.

Feliz natal, muitas bênçãos do Senhor Jesus e um ano cheio de aventuras!
Paz e bem!


Murillo Torres Lopes

Subsecretário Regional de Formação – Regional Sudeste 3

Sobre Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil

A Juventude Franciscana (JUFRA) é uma proposta de vivência cristã destinada a jovens que, por vocação, carisma ou índole, se comprometem com o ideal de vida inspirado na espiritualidade franciscana A JUFRA é, ou deve ser, um monte de gente nesse mundão a fora, que tomou consciência de que: primeiro, deve esforçar-se para melhorar o mundo; segundo, que a melhora do mundo começa a partir de si mesmo; e que é preciso no mundo uma escola que ajude as pessoas a tomarem consciência disso. (Essa escola é a própria JUFRA) A JUFRA tem estilo e características próprias. Por isso nessa fraternidade de jovens, os jufristas assumem todos os deveres e, por conseguinte, gozam de todos os direitos inerentes ao compromisso franciscano de vida secular Segundo o Estatuto da JUFRA do Brasil, ela é uma associação civil com caráter e objetivos dentro exclusivamente dos campos Religioso, Educacional e Social.