Blog de Formação


By  Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil     22:24     

CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA 2016
Tema: Casa Comum, nossa responsabilidade
Lema: “Quero ver o direito como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24)



FRATERNIDADE VIVA

Oração de Abertura para todos os dias:
-Vem, ó Deus da Vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)
-Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis)
-Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis)
Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis)
-Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis)
Que Ele nos converta pelo seu perdão! (bis)

Oração final para todos os dias:
Oração da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016.

1º ENCONTRO
CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA: IGREJAS CRISTÃS A SERVIÇO DA VIDA

Ambiente: Em círculo, e ao meio Cruz, Bíblia, vela, cartazes e outros materiais das Campanhas da Fraternidade Ecumênicas de 2000, 2005, 2010 e 2016.

1 - Acolhida (a critério do grupo);

Oração de Abertura;

2 - De olho na Vida: Cada irmão e irmã participante escolhe um dos materiais das Campanhas da Fraternidade Ecumênicas anteriores e faz comentários sobre ele, bem como memórias e lembranças de atividades destas Campanhas. Conversa livre entre os/as participantes.
Cantando:
Religião Libertadora (Pe. Zezinho,SCJ)


É por causa do meu povo machucado
Que acredito em religião libertadora!
É por causa de Jesus ressuscitado
Que acredito em religião libertadora!
1. É por causa dos profetas que anunciam
Que batizam, que organizam, denunciam.
É por causa de quem sofre a dor do povo
É por causa de quem morre sem matar!
2. É por causa dos pequenos e oprimidos
Dos seus sonhos, dos seus ais, dos seus gemidos.
É por causa do meu povo injustiçado
Das ovelhas sem rebanho e sem pastor!
3. É por causa do profeta que se cala
Mas até com seu silêncio grita e fala.
É por causa de um Jesus que anunciava
Mas também gritava aos grandes: “Ai de vós!”.
4. É por causa do que fez João Batista
Que arriscou, mas preparou a tua vinda.
É por causa de milhões de testemunhas
Que apostaram suas vidas no amor!



3 - Conversando: O que achamos deste hino? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

4 - Aprofundando:
Leitor/a 1: As Igrejas que integram o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) assumem como missão expressar em gestos e ações o mandato evangélico da unidade, que diz “Que todos sejam um, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.” (Jo 17.21). A caminhada ecumênica realizada pelo CONIC tem mais de três décadas.

Leitor/a 2: É uma trajetória marcada por confiança, parceria e protagonismo. Das muitas experiências, destacam-se as três Campanhas da Fraternidade Ecumênicas, realizadas nos anos 2000, 2005 e 2010. Todas elas marcaram profundamente a vida das Igrejas que nelas se envolveram. A motivação para essas Campanhas fundamentou-se na compreensão de que no centro da vivência ecumênica está a luta pela justiça.

Leitor/a 3: Isso se deu porque o movimento ecumênico está marcado pela ação e pelo desafio de construir uma casa-comum (oikoumene) justa, sustentável e habitável para todos os seres vivos. Essa luta é profética, pois questiona as estruturas que causam e legitimam vários tipos de exclusão: econômica, ambiental, social, racial, étnica e de gênero.

Leitor/a 4: O testemunho ecumênico coloca-se na contramão de todo tipo de competição e de proselitismo, tão frequentes no nosso contexto religioso. É uma clara manifestação de que a paz é possível. É um apelo dirigido a todas as pessoas religiosas e de boa vontade para que contribuam com as suas capacidades para a promoção do diálogo, da justiça, da paz e cuidado com a criação. É, também, uma comprovação de que Igrejas irmãs são capazes de repartir dons e recursos na sua missão. (cf. CONIC. Texto Base CFE 2016).

5 - De olho na Bíblia: Atos 4,32-37
O que achamos deste texto? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

Gesto concreto: Partilhar com outras pessoas como foi a vivência deste encontro e convidá-las para o próximo. Procurar estudar também individualmente os materiais da CFE 2016. O que mais poderíamos fazer?

Que tal um vídeo?
Dica para assistir em casa ou em grupo: CONIC: 30 anos promovendo o Diálogo! Através de curtas mensagens vários companheiros e companheiras da caminhada ecumênica das Igrejas no Brasil saúdam o papel do CONIC na promoção desta unidade na diversidade. Disponível em: https://youtu.be/3hARAGPno6w

*Oração final – Oração da CFE 2016.



2º ENCONTRO
OLHAR COM CUIDADO A CASA COMUM QUE HABITAMOS
“Vejam se a terra é boa ou ruim; como é que são as cidades onde moram...” (cf. Nm 13,19)

Ambiente: Em círculo, e ao meio Cruz, Bíblia, vela, cartaz da CFE-2016 e recortes de notícias de jornais e revistas ou imagens que mostrem a realidade do saneamento básico no bairro, cidade, estado, país, exterior, etc.

1 - Acolhida (a critério do grupo);

Oração de Abertura;

De olho na Vida: Cada irmão e irmã participante escolhe uma das notícias ou imagens que mostram a realidade do saneamento básico faz comentários sobre ela. Conversa livre entre os/as participantes, acrescentando outras situações que lembram.

Cantando:
A Cidade (Chico Science e Nação Zumbi)
1. O sol nasce e ilumina as pedras evoluídas
Que cresceram com a força de pedreiros suicidas.
Cavaleiros circulam vigiando as pessoas
Não importa se são ruins, nem importa se são boas.
E a cidade se apresenta centro das ambições
Para mendigos ou ricos e outras armações.
Coletivos, automóveis, motos e metrôs
Trabalhadores, patrões, policiais, camelôs.
A cidade não para, a cidade só cresce.
O de cima sobe e o de baixo desce (bis).
2. A cidade se encontra prostituída
Por aqueles que a usaram em busca de saída.
Ilusora de pessoas de outros lugares
A cidade e sua fama vai além dos mares.
No meio da esperteza internacional
A cidade até que não está tão mal.
E a situação sempre mais ou menos
Sempre uns com mais e outros com menos.
3. Eu vou fazer uma embolada, um samba, um maracatu
Tudo bem envenenado, bom pra mim e bom pra tu
Pra gente sair da lama e enfrentar os urubu.
Eu vou fazer uma embolada, um samba, um maracatu
Tudo bem envenenado, bom pra mim e bom pra tu
Pra gente sair da lama e enfrentar os urubu.
Num dia de sol Recife acordou
Com a mesma fedentina do dia anterior.

2 - Conversando: O que achamos desta música? O que nos chama atenção nela? O que ela tem a ver com o que conversamos?

3 - Aprofundando:
Leitor/a 1: Quando a intenção principal é a busca de lucro e não o cuidado necessário com a vida de nossa Casa Comum, serviços essenciais deixam de ser oferecidos. Atualmente no Brasil, há um considerado investimento do Estado nessa área. Por causa disso, grupos econômicos nacionais e estrangeiros estão interessados na privatização de ações e serviços de saneamento básico. A justiça fica questionada quando vemos grandes desperdícios de água nas classes média e alta, enquanto esse mesmo líquido falta ou é utilizado de forma não potável pelos moradores mais pobres.

Leitor/a 2: O conceito de saneamento básico é compreendido de forma diferenciada em cada cultura e classe social. Esse conceito relaciona-se com as condições materiais de existência e o nível de informação e conhecimento. O saneamento básico é muito importante. Ele inclui os serviços públicos de abastecimento de água, o manejo adequado dos esgotos sanitários, das águas pluviais, dos resíduos sólidos, o controle de reservatórios e dos agentes transmissores de doenças. Com isso, traz sensível melhoria na saúde e nas condições de vida de uma comunidade.

Leitor/a 3: Hoje, as preocupações no campo do saneamento passam a incorporar não só questões de ordem sanitária, mas também ambiental. Assim, o conceito de saneamento passa a ser tratado em termos de saneamento, saneamento básico e saneamento ambiental. A natureza de uma ação de saneamento básico a torna essencial à vida humana e à proteção ambiental. É, portanto, ação que busca construir a justiça, principalmente para os pequenos e pobres. As ações de saneamento básico constituem-se serviços essenciais, direito social do cidadão e dever do Estado.

Leitor/a 4: Basta uma volta pela cidade para constatar a diferenciação entre os bairros, tanto no que diz respeito às características urbanísticas, de infraestrutura, de conservação dos espaços, equipamentos e serviços públicos quanto ao perfil da população. Os mais pobres são justamente os que gastam proporcionalmente mais com o transporte diário, têm mais problemas de saúde por conta da falta de saneamento e são penalizados por escolas de baixa qualidade. (cf. CONIC. Texto Base CFE 2016).

4 - De olho na Bíblia: Isaías 5, 8-25
O que achamos deste texto? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

Gesto concreto: Escolher um ou mais temas relacionados ao saneamento básico que acharem relevantes e realizar encontro para estudo e reflexão. O que mais poderíamos fazer?

Que tal um vídeo?
Dica para assistir em casa ou em grupo: Unidiversidade – Saneamento Básico. O saneamento foi reconhecido pela ONU como um direito humano, um serviço básico necessário para se viver uma vida normal. Cerca de 2,6 bilhões de pessoas ainda não têm acesso a saneamento adequado. Gravado na UFRJ, programa exibido em 17 de junho 2013. Apresentador: Renato Farias. O Unidiversidade é um programa do Canal Saúde que busca costurar um discurso plural e polifônico sobre um determinado assunto usando um formato ágil e diferente do que se costuma ver na televisão. O programa parte do universo acadêmico para uma diversidade de temas e convidados. Disponível em: https://youtu.be/-vH1Oh2zb0s

Oração final – Oração da CFE 2016.



3º ENCONTRO
COMPREENDER O CUIDADO COM A CASA COMUM QUE HERDAMOS

Ambiente: Em círculo, e ao meio Cruz, Bíblia, vela, cartaz da CFE-2016 e símbolos que retratem as relações ecológicas de respeito e cuidado.

1 - Acolhida (a critério do grupo);

Oração de Abertura;

De olho na Vida: Cada irmão e irmã participante escolhe um dos símbolos que retratam as relações ecológicas de respeito e cuidado e faz comentários sobre eles. Conversa livre entre os/as participantes, acrescentando outras ações que lembram.

Cantando:
Cântico das Criaturas (São Francisco de Assis / Zé Vicente)


Onipotente e bom Senhor,
A ti a honra, glória e louvor;
Todas as bênçãos de ti nos vêm
E todo o povo te diz: Amém! (bis)
1. Louvado sejas nas criaturas,
Primeiro o sol lá nas alturas
Clareia o dia, grande esplendor,
Radiante imagem de ti, Senhor.
Louvado sejas pela irmã lua,
No céu criaste, é obra tua
Pelas estrelas claras e belas
Tu és a fonte do brilho delas.
Louvado sejas pelo irmão vento
E pelas nuvens, o ar e o tempo,
E pela chuva que cai no chão
Nos dás sustento, Deus da Criação.

2. Louvado sejas, meu bom Senhor,
Pela irmã água e seu valor.
Preciosa e casta, humilde e boa,
Se corre, um canto a ti entoa.
Louvado sejas, ó meu Senhor,
Pelo irmão fogo e seu calor
Clareia a noite, robusto e forte
Belo e alegre, bendita sorte.
Sejas louvado pela irmã terra,
Mãe que sustenta e nos governa
Produz os frutos, nos dá o pão
Com flores e ervas sorri o chão.

3. Louvado sejas, meu bom Senhor,
Pelas pessoas que em teu amor
Perdoam e sofrem tribulação,
Felicidade em ti encontrarão.
Louvado sejas pela irmã morte
Que vem a todos, ao fraco e ao forte;
Feliz aquele que te amar,
A morte eterna não o matará.
Bem-aventurado quem guarda a paz
Pois o Altíssimo o satisfaz.
Vamos louvar e agradecer,
Com humildade, ao Senhor bendizer.



2 - Conversando: O que achamos deste hino? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

3 - Aprofundando:
Leitor/a 1: O lema inspirador desta Campanha da Fraternidade Ecumênica é tirado das profecias de Amós, na época do reinado de Jeroboão II (782-753 a.C.). Foi uma época de grandes avanços econômicos e de muita prosperidade para o rei, para a nobreza e para os grandes proprietários. Em Israel e Judá comerciantes estabeleciam seus negócios com os poderes estrangeiros. A religião oficial, centrada no culto a Javé nos templos de Betel e Jerusalém, favorecia estes novos empreendimentos comerciais. Mas, como em toda política de expansão econômica associada à concentração de riqueza, surgem as desigualdades e a degradação do meio ambiente.

Leitor/a 2: A harmonia do ser humano com o meio ambiente aparece bastante na Bíblia como símbolo da Vida gratificante que Deus planejou para nós. Vemos isso no começo, com uma descrição poética de como deveria ser o mundo: o Jardim do Éden, onde “brotava da Terra uma fonte, que lhes regava toda a superfície” (Gn 2.6). O ser humano “formado do pó da terra” é outro símbolo da relação que Deus quer que tenhamos com a natureza. Fomos criados para sermos jardineiros/as de um jardim que reflete a harmonia desejada por Deus. No Éden nascia um rio que se dividia em quatro braços. O número 4 costuma ser usado de forma simbólica na Bíblia, representando o planeta inteiro. Essas passagens iniciais da Bíblia ressaltam a importância do cuidado humano pela integridade da criação.

Leitor/a 3: Ao longo de sua caminhada, o povo foi descobrindo e estabelecendo normas de higiene e limpeza para que a comunidade humana fosse um reflexo desta harmonia retratada no Jardim do Éden, como: Organizar a comunidade para que resolva seus problemas (Ex 18,13-27); Manter a limpeza do acampamento (Dt 23,13-14); Cuidar e tratar da água a ser consumida (Lv 11,36); Saber comer alimentos bons (Gn 1,11-12); Repartir com os pobres (Dt 24,19-22); Cuidar das árvores e bosques (Lv 19,25); Respeitar e remunerar bem o trabalho alheio (Dt 24,14-15; Tg 5,1-6); Saber descansar (Ex 20,8-11), etc.

Leitor/a 4: O profeta Amós anuncia a justiça. Jesus também anuncia a justiça. Cada qual o faz com a visão própria de seu tempo e de sua época. A questão das relações justas dos seres humanos entre si e para com o meio ambiente diz respeito não apenas às Igrejas, mas a toda a Humanidade. Os cristãos têm, a partir de suas tradições, uma grande contribuição a dar. Mas devem trabalhar unidos e também em parceria com os que, fora de sua fronteira religiosa, querem o bem da humanidade e a preservação saudável do planeta. (cf. CONIC. Texto Base CFE 2016).

4 - De olho na Bíblia: Mateus 6,25-34
O que achamos deste texto? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

Gesto concreto: Conhecer os projetos sociais das Igrejas e/ou outras iniciativas existentes por perto do grupo que trabalham com as questões relacionadas ao saneamento básico. O que mais poderíamos fazer?

Que tal um vídeo?
Dica para assistir em casa ou em grupo: Jubileu dos Excluídos. Vídeo produzido pela Tv Janela Aberta / Nosso Chão. Uma enorme parcela da humanidade excluída é o saldo de dois mil anos de "civilização cristã". Após 500 anos de evangelização, a exclusão social ainda fere a vida e a alma do povo brasileiro. O Jubileu do ano 2000 pode ser, para os cristãos/ãs, a grande chance de devolver a todos os excluídos a dignidade roubada. Esta é a proposta e a contribuição do Instituto Nosso Chão, por ocasião da campanha da Fraternidade 2000, cujo lema foi "Novo Milênio sem exclusão". Disponível em: https://youtu.be/VCTu8Co42eU

Oração final – Oração da CFE 2016.



4º ENCONTRO
ASSUMIR O CUIDADO DA CASA COMUM QUE NOS RESPONSABILIZAMOS
“Voltarão a construir as cidades que foram destruídas, e nelas vão morar.” (cf. Am 9,14b)
                        
Ambiente: Em círculo, e ao meio Cruz, Bíblia, vela, cartaz da CEF-2016, cartolina ou papel madeira e canetas.

1 - Acolhida (a critério do grupo);

Oração de Abertura;

De olho na Vida: Cada irmão e irmã participante recorda coisas importantes que foram refletidas nos três outros encontros e escrevem no cartaz. Conversa livre entre os/as participantes, acrescentando outras reflexões que lembram.

Cantando:
As Forças da Natureza (João Nogueira e Paulo César Pinheiro)


1. Quando o Sol
Se derramar em toda sua essência
Desafiando o poder da ciência
Pra combater o mal.
E o mar
Com suas águas bravias
Levar consigo o pó dos nossos dias
Vai ser um bom sinal.
Os palácios vão desabar
Sob a força de um temporal
E os ventos vão sufocar o barulho infernal.
Os homens vão se rebelar
Dessa farsa descomunal.
Vai voltar tudo ao seu lugar
Afinal.
2. Vai resplandecer
Uma chuva de prata do céu vai descer, lalaiá
O esplendor da mata vai renascer
E o ar de novo vai ser natural.
Vai florir
Cada grande cidade o mato vai cobrir, ô, ô.
Das ruínas um novo povo vai surgir
E vai cantar afinal.
As pragas e as ervas daninhas
As armas e os homens de mal
Vão desaparecer nas cinzas de um carnaval (bis).



2 - Conversando: O que achamos desta canção? O que nos chama atenção nela? O que ela tem a ver com o que conversamos?

3 - Aprofundando:
Leitor/a 1: O cuidado com a Casa Comum não depende apenas do Poder Público. O cuidado com a Casa Comum exige uma mudança profunda na forma como nos relacionamos com os recursos naturais. Individualmente também somos responsáveis. Se jogarmos lixo na rua, entupirmos bueiros, certamente, na próxima chuva forte, teremos que lidar com enchentes. O cuidado com a Casa Comum exige postura política e mudança de comportamento.

Leitor/a 2: As responsabilidades são coletivas, porém diferenciadas: o poder público tem a tarefa de realizar as obras de infraestrutura, implementar o Plano Municipal de Saneamento Básico, garantir a limpeza do espaço público, fazer a coleta seletiva do lixo. Nós temos a responsabilidade, enquanto cidadãos e cidadãs, de cuidarmos do espaço onde moramos, de não jogar lixo na rua, de zelar pelos bens e espaços coletivos.

Leitor/a 3: Essas atitudes poderão nos aproximar do sonho do profeta que é o de “ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca" (Am 5,24). Assim, a nossa responsabilidade como cristãos e cristãs nos desafia a observar se toda a ação e execução de projetos de saneamento básico estão sendo desenvolvidos pelos poderes públicos, se o serviço de água, esgotamento e lixo é totalmente universalizado e se os pobres estão tendo acesso à água potável, mesmo se não podem pagar por ela.

Leitor/a 4: Ninguém deve ser privado do acesso à água potável, nem da coleta e afastamento do esgoto, ou da coleta e remoção de lixo. Temos uma proposta emocionante: cuidar da Casa Comum que Deus nos deu e fazer dela um lugar saudável, onde a fraternidade e a justiça corram como rios de água viva. Que Deus nos ajude a viver com alegria e responsabilidade essa bonita missão! (cf. CONIC. Texto Base CFE 2016).

4 - De olho na Bíblia: Isaías 65,17-25
O que achamos deste texto? O que nos chama atenção nele? O que ele tem a ver com o que conversamos?

Gesto concreto: Visitar algum trabalho das Igrejas e/ou outras entidades na perspectiva do saneamento básico, para conhecer e demonstrar solidariedade e comunhão. Visualizar o que está escrito no cartaz, e planejar para desenvolver serviços de Pastoral Social na Comunidade. O que mais poderíamos fazer?

Que tal um vídeo?
Dica para assistir em casa ou em grupo: A Árvore de Marcação. Jocélia, jovem estudante de Direito, reencontra em seu trabalho o inspetor, personagem violento e autoritário, que lhe recorda sua infância em Marcação, pequeno vilarejo da zona canavieira da Paraíba. Ali, a maioria das crianças trabalha, desde os cinco anos de idade, nos canaviais e no mangue, e tem seus direitos desrespeitados pelos poderosos do local. Um dia chega alguém no vilarejo... A partir daí, Jocélia e seus amigos/as percebem o que está se passando e organizam uma luta contra a absurda situação da comunidade que é obrigada a pagar até a água que retira do chafariz público. O elenco do filme é totalmente nordestino, com predominância de artistas paraibanos/as. Participam, também, crianças e adolescentes de Marcação que viveram personagens reais na história que agora apresentam. Produção: ZDF/Jussara Queiróz. Distribuição: Instituto Alberione/Paulinas. Disponível em: https://youtu.be/bDkbjne-Enw

Oração final – Oração da CFE 2016.


5º ENCONTRO – CELEBRAÇÃO
FESTEJAR O CUIDADO E A BELEZA DA CASA COMUM EM QUE VIVEMOS
                        
Ambiente: Em círculo, e ao meio Cruz, Bíblia, vela, cartaz da CFE-2015 e mudas de plantas.

Silêncio... Oração pessoal...

Refrão Meditativo:
Deus vos salve, Deus! Deus vos salve, Deus! (bis)
1. Deus salve esta casa, onde mora Deus, vos salve, Deus! (bis)
2. Deus salve as pessoas, onde mora Deus, vos salve, Deus! (bis)
3. Deus salve o universo, onde mora Deus, vos salve, Deus! (bis)

1 - Abertura:
-Vem, ó Deus da Vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)
-Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis)
-Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis)
Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis)
-Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis)
Que Ele nos converta pelo seu perdão! (bis)

2 - Recordação da Vida: Irmãos e irmãs, depois de refletirmos estes encontros da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016, com o tema: “Casa Comum, nossa responsabilidade” e o lema: “Quero ver o direito como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24), o que gostaríamos de recordar destes encontros de reflexão?

3 - Hino: Vem, Espírito Santo (Jaci Maraschin e Flávio Irala)
Vem, Espírito Santo,
Renova a criação,
A criação inteira. (bis)


1. Tu pairaste, qual pássaro encantado,
Sobre as águas primevas azuladas
Fecundando a vida.
E foste nas algas e nas plantas
O vigor, o sustento e a direção.
2. Tu chamaste dos fundos da experiência
O teu povo nascido pra justiça
E lhe deste vida.
E foste nas ruas e nas casas
Os abraços, os cantos e o amor.
3. Mas o mundo criado fez de conta
Que era fruto do engano e da maldade
E escolheu a morte.
A guerra, a ganância, o lucro louco
E o caos ficaram, pois, em teu lugar.
4. Mas nos unes na espera de outro dia
De uma nova e liberta criação,
De uma nova vida.
Serás nosso rumo, finalmente,
Para as portas do Reino da Verdade.



4 - Salmo 104(103) – (Reginaldo Veloso)
"Olhem os pássaros do céu e os lírios do campo. O Pai do céu cuida deles e os alimenta" (Mt 6,6). Como uma meditação sobre a história bíblica da criação do mundo, cantemos ao Criador este hino de louvor e peçamos a força para restabelecer no mundo a justiça e a ordem do universo.


Quando tu, Senhor,
Teu Espírito envias,
Todo mundo renasce,
É grande alegria! (bis)
1. Ó minh’alma, bendize ao Senhor:
“Ó Deus grande em poder e amor,
O esplendor de tua glória reluz
E o céu é teu manto de luz”.
2. Firme e sólida a terra fundaste,
Com o azul do oceano a enfeitaste!
E rebentam tuas fontes nos vales,
Correm as águas e cantam as aves.
3. Lá do alto tu regas os campos,
Cresce a relva e os viventes se fartam.
De tuas obras a terra encheste,
Todas belas e sábias fizeste.
4. Que se sumam da terra os perversos
E minh’alma te entoe os seus versos!
Glória ao Pai e ao Filho, no Amor,
Ao Deus vivo eterno louvor!




5 - Leitura Bíblica: Apocalipse 21,1-8.



6 - Meditação:

Silêncio... partilha... refrões...

“Eu vi novo céu, nova terra, eu vi! Ó, filhas e filhos do povo, eu vi!”



7 - Preces:

Irmãos e irmãs, neste tempo favorável, neste dia da salvação, apresentemos ao Senhor nossas súplicas confiantes e digamos:

Enviai o vosso Espírito, Senhor

E da terra toda face renovai!

-Ouve, Senhor, o grito abafado do teu povo faminto, expulso de suas terras, migrando de um lugar para outro, espremido nas periferias e nas ruas das grandes cidades...; que todos te sintam como companheiro...

-Ouve, Senhor, o clamor dos presos e dos perseguidos por causa de sua luta pelos direitos humanos; que na sua solidão eles sintam a tua presença e teu apoio...

-Ouve, Senhor, o gemido dos doentes, de todos que não tem mais esperança de cura; possam encontrar em ti a paz e um sentido para a sua vida...



Preces espontâneas... Pai nosso...



Ó Deus de ternura e compaixão, tu és a fonte de toda ação justa e de toda palavra boa. Neste tempo de deserto, ensina-nos a orar; neste tempo de penitência, ensina-nos a praticar o verdadeiro jejum; neste tempo de caridade, ensina-nos a repartir com os irmãos e irmãs. Por Cristo, Jesus, nosso Senhor. Amém!



8 - Bênção:

Que o Deus da paz nos faça capazes de cumprir sua vontade, fazendo tudo o que é bom, agora e para sempre. Amém!



Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.

Para sempre seja louvado!



9 - Saideira: Distribuição das mudas de plantas.

Hino da CFE 2016.



Elson  Matias –  Fraternidade Irmão Sol com Irmã Lua (Santa Rita/PB)
 Assessor Nacional para Registro e Arquivo


Sobre Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil

A Juventude Franciscana (JUFRA) é uma proposta de vivência cristã destinada a jovens que, por vocação, carisma ou índole, se comprometem com o ideal de vida inspirado na espiritualidade franciscana A JUFRA é, ou deve ser, um monte de gente nesse mundão a fora, que tomou consciência de que: primeiro, deve esforçar-se para melhorar o mundo; segundo, que a melhora do mundo começa a partir de si mesmo; e que é preciso no mundo uma escola que ajude as pessoas a tomarem consciência disso. (Essa escola é a própria JUFRA) A JUFRA tem estilo e características próprias. Por isso nessa fraternidade de jovens, os jufristas assumem todos os deveres e, por conseguinte, gozam de todos os direitos inerentes ao compromisso franciscano de vida secular Segundo o Estatuto da JUFRA do Brasil, ela é uma associação civil com caráter e objetivos dentro exclusivamente dos campos Religioso, Educacional e Social.

Nenhum comentário: