Blog de Formação

A ESSÊNCIA DO NATAL



By  Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil     11:12     

“...Celebrava com incrível alegria,
mais que todas as outras solenidades, o Natal do Menino Jesus,
afirmava que era a festa das festas, em que Deus,
feito um menino pobrezinho, dependeu de peitos humanos...”
(Tomas de Celano Vida II)

Mais um Santo Natal se aproxima. É chegada à hora, o momento, de mais uma vez renovarmos nossas esperanças e acreditar na vida, o Pequeno Jesus nasceu em uma manjedoura e apresentou para a humanidade, um Santo Mistério, possibilitando o nosso nascimento para a Glória e o cumprimento de uma promessa.

Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel” (Isaías 7:14).
Natal é o tempo que as pessoas refletem, se redimem, perdoam, se confraternizam, estão mais sensíveis as fragilidades humanas. Alguns que resumem esse tempo a troca de presentes, a beleza das luzes que deixam suas casas, ruas e praças mais luminosas e esquece-se de refletir e viver o verdadeiro sentindo do Natal, não entende ainda a grandiosidade deste tempo. A história de um Rei esperado por muita gente, que dentre as palhas nasceu, pobre em uma estrebaria de Belém. Fez de sua história de vida e de sua morte um supremo da humanidade com um reinado eterno e sem fim. São Leão Magno, na sua homília de Natal dizia: “Não pode haver tristeza quando nasce a vida.”

Jesus Nasceu!!! Viva!!!

A partir da sua necessidade de ver Deus em tudo, no ser humano, na criação, na Eucaristia, São Francisco de Assis, visou à magnitude daquele momento, que de forma bem simples nos lembra o nascimento de Jesus, manifestou sua vontade, seu desejo de representar o presépio, podendo com isso visualizar a grande humildade e pobreza do Natal de Belém, tornando-se o autor do primeiro presépio vivo, festejando o Natal em Greccio, despertando em todas as pessoas o profundo interesse em retratar até os dias de hoje o Santo Natal.

O nascimento do Filho de Deus na simplicidade de um estábulo e o seu primeiro adormecer na simplicidade de uma manjedoura, sempre vigiado pelos olhares dos pais amorosos, nos leva a refletir como levamos nossa vida.
Os dias agitados e estressantes nos faz esquecer-se do divino. Por isso, a Igreja nos propõe o tempo do advento, para que dessa forma possamos preparar a chegada dessa data tão especial e estarmos abertos para receber o Menino, com a mesma expectativa que José e Maria receberam-no. Olhar para Ele com a mesma singeleza na alma que os pastores estavam quando foram visitar o pequeno Jesus depois do anuncio dos anjos.
Na encenação do primeiro Presépio, era isso que São Francisco buscava. Queria sentir sua alma simples, sem pensamentos mesquinhos, sem pressa. Apenas queria sentir, sentir a doçura do Verbo Encarnado, da realização da promessa do Pai.
E neste ano de 2012 o nosso querido Frei Wellington Buarque de Souza, OFM, nos fará uma prece e nos convida a está com ele, unidos em oração que será assim:

“Menino-Deus, quero acolher-Te em meus braços, participar de Tua fragilidade. Também fazer-Te participar da minha fragilidade. Ensina-nos a acolher a cada jovem que vem ao nosso encontro, ensina-nos a gratuidade de demonstrar a cada um o sorriso sincero, um abraço amigo, um olhar acolhedor.
Ensina também a cada jufrista a acolher a cada irmão, a amá-lo, e principalmente a cada pobre, reconhecendo-o como um sinal concreto de Tua presença entre nós. Educa a cada um na Tua humildade, para que sejamos, em meio a uma cultura da imagem, do individualismo e do consumismo; verdadeiros sinais de doação, de compaixão, de fraternidade.
Renova no coração de cada um deles a sua identidade de jufristas, ou resgate tal identidade, se assim for preciso; conscientiza-os que este nome – Juventude Franciscana – não é uma representação: traduz-se em responsabilidade e comprometimento; cumula-os de esperança, fortalece a confiança de cada um em Ti. Renova o desejo de re-abraçarem o ideal franciscano de vida que um dia assumiram!
Concede-nos, a todos nós, reconhecer-Te presente, Encarnado, em nossa vida, em nossas lutas, em nossas conquistas, em nosso caminho...
... e ajuda-nos a caminhar sempre contigo.
Amém.”

Que neste dia de graça e luz, possamos refletir sobre nossos atos, que o nosso corpo e a nossa mente possa ser verdadeiramente o templo e morada do Deus vivo, o mesmo que São Francisco e Santa Clara de Assis nos convidam a seguir.
Wigna Jales de Lira, OFS/JUFRA
Animadora Fraterna Nacional para JUFRA


Sobre Juventude Franciscana JUFRA) do Brasil

A Juventude Franciscana (JUFRA) é uma proposta de vivência cristã destinada a jovens que, por vocação, carisma ou índole, se comprometem com o ideal de vida inspirado na espiritualidade franciscana A JUFRA é, ou deve ser, um monte de gente nesse mundão a fora, que tomou consciência de que: primeiro, deve esforçar-se para melhorar o mundo; segundo, que a melhora do mundo começa a partir de si mesmo; e que é preciso no mundo uma escola que ajude as pessoas a tomarem consciência disso. (Essa escola é a própria JUFRA) A JUFRA tem estilo e características próprias. Por isso nessa fraternidade de jovens, os jufristas assumem todos os deveres e, por conseguinte, gozam de todos os direitos inerentes ao compromisso franciscano de vida secular Segundo o Estatuto da JUFRA do Brasil, ela é uma associação civil com caráter e objetivos dentro exclusivamente dos campos Religioso, Educacional e Social.

Nenhum comentário: